27 de janeiro de 2017

Menina não joga

Desde sempre que gostei de dar uns toques na bola, era mais ou menos "maria- rapaz" quando era miúda e hoje tenho uma filha que joga à bola com os colegas da escola e que me deixa muito orgulhosa.

Na semana passada as minhas alunas de 9 e 10 anos queixaram-se que os miúdos da turma não as deixavam jogar futebol no intervalo. Lá desbobinei o que acho correto, como professora e como mulher: a igualdade dos géneros e a importância de sermos amigos uns dos outros, partilhando um jogo de futebol, não olhando a géneros ou capacidades futebolísticas. Deste modo ficou combinado que hoje ( eles só jogam futebol à sexta-feira) as miúdas levariam uma bola e os miúdos partilhariam o campo com elas. Acreditei que eles (os rapazes que jogam, pois nem todos o fazem) fossem capazes de algo tão bonito como isto: dividir o campo e deixá-la jogar, mal ou bem.  Mas não...
Correu tudo mal pois ainda há miúdos "machistas" que acham que as miúdas devem é brincar às casinhas. Elas bem que tentaram, invadindo o campo e relembrando o combinado mas não foram ouvidas por quatro ou cinco dos garotos.
Alegaram que elas não sabem jogar, que tocam na bola com a mão, blá, blá, blá...

Conclusão... fiquei triste, as miúdas ficaram tristes e alguns dos rapazes acabaram por perceber e ficaram tristes também.

Infelizmente não está nas minhas mãos mudar a mentalidade dos garotos, por mais que tente, por mais que lhes mostre o caminho correto a seguir, há sempre uma educação que já vem do berço.

Acabei por me dirigir às meninas dizendo-lhes que não precisam do campo de futebol para nada... Há no recinto da escola outros espaços onde elas poderão jogar sem miúdos e sem chatices.
Na próxima sexta-feira levarei os meus ténis e irei jogar com elas!

24 de janeiro de 2017

Pré-adolescência???

Socorroooo... a minha filha de 8 anos, por duas vezes neste fim de semana que passou, fez-me a seguinte pergunta: "É tão giro, não é mãe?"

Infelizmente não estava a falar de um peluche na prateleira de uma loja, nem de um casaco da moda, muito menos de um cãozinho bebé... Não!

A minha filha referia-se a jovens empregados, rapazes, que nos atenderam em duas lojas diferentes do Almada Fórum.

Imaginem a situação... aquela coisinha minúscula, a quem há bem pouco tempo eu mudava fraldas, de mão dada comigo a fazer-me esta pergunta "É tão giro, não é mãe?"

Socorroooo porquê ???
Porque ela só tem 8 anos, mas caramba... já tem muito bom gosto!

Amanhã...

Amanhã eu faço... amanhã eu digo... amanhã eu começo... amanhã eu termino... amanhã eu compro... amanhã eu vivo???

E até lá?

Hoje sorrio, brinco, aprecio, amo, saboreio, toco, aproveito, relaxo, leio, escrevo...

Enfim gosto mais do hoje, do agora, do momento presente...

Para amanhã fica sempre o que gosto menos, o que pressupõe muito trabalho e pouco prazer!

Amanhã eu mudo... prometo!

18 de janeiro de 2017

Mais uma mensagem XVIII

Adormeceram abraçados, sob o céu escuro pontuado por algumas estrelas reluzentes que brindavam ao nascer daquele relacionamento. Adormeceram embalados pelo som das ondas que rebentavam na areia da praia, como que a aplaudirem vagarosamente a paixão que tinha sido vivida naquele areal.
Foi Sofia que despertou primeiro mas deixou-se ficar... a saborear o momento. Filipe estava encostado às suas costas com o braço direito sobre ela. A sua mão pousava suavemente no seio destapado e frio. Sofia sentia a respiração quente no seu pescoço e fechou os olhos, revendo em câmara lenta os melhores momentos da noite. Era capaz de se habituar com facilidade àquele homem. Tinha sido um momento perfeito!
Filipe mexeu-se e acordou inspirando profundamente.
- Bom dia! - ironizou Sofia, visto que era ainda de madrugada. - Ainda bem que trouxeste as mantinhas. - disse virando-se para ele, beijando-o apaixonadamente e ajeitando a manta para se cobrirem melhor e se esconderem da natureza que os rodeava e observava curiosa.
- Hummm... gostava de ser acordado com este beijo mais vezes!-disse Filipe sorrindo e retribuindo o beijo de Sofia com outro, mais prolongado, ousado e apaixonado.
O beijo acabou por ser o acender do rastilho para novo momento de paixão. Sofia colocou-se sobre Filipe sentando-se sobre o seu estômago. Sorriu maliciosamente para ele e perguntou:
- Vamos embora ou ficamos mais um pouco? Acho que ainda não experimentámos tudo... - piscou-lhe o olho enquanto o acariciava no pénis de novo pronto para novas movimentações.
- Ui, eu não quero ir a lado nenhum Sofia!... Podes continuar o que estás a fazer! - disse Filipe levantando ligeiramente o tronco e apoiando-se nos antebraços para visualizar e memorizar aquele momento. O que Sofia tinha de inocente e educada tinha também de ousada e provocadora e Filipe estava a adorar conhecer aquela miúda morena e sensual. Seria mais uma paixão de verão, mais uma tesão provocada pelos dias quentes daquela estação? Possivelmente seria apenas mais uma grande noite de verão!!
- Quero provar-te! - disse ela imediatamente antes de se posicionar de modo a poder envolver o pénis duro de Filipe com os seus lábios. Filipe gemeu e fechou os olhos perante tal situação inesperada. Sofia estava a ser uma maravilhosa surpresa. Voltou a abrir os olhos e ficou deliciado a vê-la, a senti-la... Os seus lábios grossos e bem desenhados, em conjunto com a língua, as mãos dominadoras, os movimentos ritmados, os seus olhos amendoados que sorriam de prazer... tornavam aquele momento em algo inesquecível. Acariciou o seu cabelo encaracolado e agarrou-o de modo a dominar os seus movimentos... Não queria precipitar-se já num orgasmo...
Com alguma perícia inverteram as posições e foi a vez de Sofia render-se às carícias do surfista que ávido perdeu-se no meio das coxas de Sofia... estava quente e húmida. Filipe percorreu o interior das pernas com beijos e pequenas dentadas que faziam Sofia contorcer-se num misto de arrepios e prazer. As suas mãos agarravam no cabelo do surfista e conduziram-no ao centro, implorando para que Filipe lhe beijasse o sexo e por ali se ficasse, a brincar, a provar, a lamber e a provocar espasmos e arrepios que percorriam o corpo e dominavam a mente de Sofia, que por instantes deixara de pensar, de ser racional... só conseguia sentir, sentir, sentir!  Gemidos de loucura e prazer saiam da boca de Sofia, que nem as ondas do mar conseguiam abafar.
- Ahhh, Filipe! Quero-te tanto... - disse Sofia olhando nos olhos azuis do surfista. Os olhares denotavam fome e sede um do outro, fome e sede de mais um orgasmo, de mais uma explosão dos sentidos.
Sofia empurrou Filipe que ficou de novo deitado, agora já quase na areia, mas naquele momento já nada importava, naquele momento valia tudo... Sofia senta-se sobre Filipe e ficam de novo encaixados na perfeição. De novo os dois corpos passam a ser um só. Sofia agora está no controlo dos movimentos e Filipe aproveita a posição para beijar a agarrar os seios de Sofia. Ambos estão loucos de prazer e a excitação atinge um nível em que já nenhum dos dois quer parar...
Filipe, percebendo que a excitação de ambos está num crescendo, está onde não há volta a dar, onde é o tudo por tudo... agarra as nádegas de Sofia, de modo a ajudar nos movimentos, cada vez mais rápidos e ritmados.
Beijam-se, lambuzam-se os movimentos são cada vez mais rápidos e irracionais. Acabam por atingir um orgasmo simultâneo, explosivo, arrebatador e sem comparações com qualquer outro fenómeno da natureza...
Preocupados com as horas acabaram por se vestir rapidamente e voltar para casa. Combinam que seria um segredo entre eles. Filipe tinha a sua namorada e Sofia afirmava a pés juntos que também só queria uma aventura. Tinha saído há pouco tempo de um namoro e não gostava de se sentir presa a ninguém.
Ambos tentavam enganar-se a eles mesmos... mas nunca o iriam admitir.

No dia seguinte bem cedo, Sofia acordou com o som irritante do despertador e pegou de imediato no seu telemóvel. Tinha uma nova mensagem, do Filipe. "Minha querida, voltei para Nazaré. Tudo o que se passou connosco foi espetacular, mas eu tinha de voltar para a minha namorada. Espero que compreendas. Um beijo. Filipe"

Estão aqui todos os capítulos:

7 de janeiro de 2017

Consulta adiada

Consulta de ortopedia às onze da manhã de sábado.
Estava lá às 10h53. Não gosto de chegar atrasada. Levei um livro para ler enquanto esperava pela consulta. Dirigi-me ao balcão e digo ao que vou...
- Ahhh é a D.Vera??? Hoje não há consulta... a Dra. adoeceu. Telefonei para si e enviei um sms a avisar.
Olhei para o telemóvel. Não estava nada registado.
- Veja lá se marcou o 93371#$@? -perguntei eu.
- Ahhh... Tinhamos aqui um 6 em vez do 3... Peço desculpa.
Consulta marcada para o próximo sábado.

Conclusão 1- pedir sempre para repetir o número de telefone quando o damos.
Conclusão 2 - Os médicos também adoecem....

2 de janeiro de 2017

Mais uma mensagem XVII

De volta a agosto de 1999...
Sofia apresentou o Filipe a Rita como sendo o primo de Carlota... só tinha lá ido a casa  com ela para ir buscar as coisas para a praia.
Enquanto preparava o saco da praia, mudava de roupa e vestia o biquíni, a sua irmã esteve à conversa na sala de estar com ele e pareceu não suspeitar de nada. Aquele giraço não era o novo namorado da sua irmã... Acabou por ir para a praia também com eles e tanto Sofia como Filipe mantiveram o plano anteriormente delineado e deixaram os prazeres carnais para um momento mais oportuno... que não demorou mais que umas horas a surgir.
Após o jantar em casa com os pais e a irmã Sofia anuncia que vai sair com umas amigas do trabalho e que deve voltar tarde.
- Não esperem por mim acordados ok? Eu já sei que quando saio com elas é para pormos a conversa em dia... - mentiu Sofia com um ligeiro sentimento de culpa mas não podia contar a verdade à sua família, não podia contar que ía sair com um rapaz que mal conhecia e que de certeza que iriam fazer coisas que os pais não iriam gostar de saber...
Entrou na carrinha pão de forma com o coração acelerado... olhou para ele que a brindou com o seu sorriso...
- Oi jeitosa! Pronta para uma voltinha na carrinha mais fixe do território nacional?
Era mesmo vaidoso aquele gajo, mas Sofia gostava da maneira descontraída e simples de ele ser.
- Olá Sr. Convencido... onde me levas?- perguntou Sofia enquanto colocava o cinto de segurança.
- Podia levar-te a muitos sítios mas agora só me apetece levar-te ao céu e ficamos por lá até nos fartarmos...  - piscou-lhe o olho e arrancou com o carro deixando Corroios para trás.
Durante o trajeto foram conversando e brincando, mas ambos pensavam no momento daquela tarde no elevador onde mais uma vez tinham demonstrado que existia uma enorme atração entre eles. A antecipação do momento que se avizinhava deixava Sofia ansiosa... Colocou a sua mão na perna de Filipe e perguntou-lhe se sabia para onde iam...
- Sim estamos quase a chegar... Não te preocupes...
Afinal Filipe sabia bem para onde íam... Praia da Riviera. Sofia fartou-se de rir:
- Na praia Filipe? Trouxeste-me para a praia... ahahah... Ok...
Saíram do carro e Filipe pegou na mochila que tinha umas mantinhas no caso de a noite arrefecer, aproximou-se de Sofia, ladeou a sua face com ambas as mãos e beijou-a loucamente. Sofia abraçou Filipe e recebeu o beijo ansiado deixando que o surfista a descobrisse com a língua. Encostaram-se e Sofia percebeu a grande excitação de Filipe... deixando-a ainda mais excitada e pronta para o que iria acontecer a seguir.
Estava uma noite escura, lua nova... ótimo para casais de namorados que não têm 4 paredes para se deleitarem, para se amarem.
Filipe estendeu uma manta numa duna de areia, numa zona rodeada com alguma vegetação. Sofia observava-o e só pensava em tirar-lhe aquela t'shirt e poder sentir a sua pele, os seus músculos ligeiramente trabalhados, o seu sabor.
Filipe aproxima-se de Sofia e passa os dedos pela sua face...desce pelo pescoço... pelo ombro... descendo até à mão entrelaçando os seus dedos carinhosamente nos dedos trémulos de Sofia. Beija-lhe carinhosamente o pescoço e sussura-lhe ao ouvido "Quero-te"... Sofia estava já em êxtase e queria mais, queria sentir o corpo de Filipe  no seu... Filipe puxou-a  até à manta, cuidadosamente estendida na areia e deitaram-se lado a lado.
- És tão linda Sofia e excitas-me de uma maneira que nem imaginas...
- Ohhh Filipe... cala-te e beija-me - diz Sofia enquanto se aproxima dele e o beija apaixonadamente.
A partir daqui não há diálogos que acompanhem a imagem. A situação fala por si própria.  Aos poucos foram tirando a roupa, descobrindo cada centímetro um do outro... As mãos tornaram-se autónomas e tocaram nos sítios certos... provocando gemidos silenciosos e sensações fortes. As bocas e línguas percorreram os sítios certos, onde as terminações nervosas permitem ter sensações extraordinárias e que parecem ter sido feitas apenas para sentir prazer sexual. Ambos viviam aquele momento com paixão, com ardor e com vontade de se unirem num só corpo.
Filipe colocou-se sobre Sofia apoiando-se nos cotovelos, o cabelo num desalinho e um olhar de desejo... a boca semiaberta e um sorriso apaixonado perante o quadro que vislumbrava. O cabelo longo e negro de Sofia emoldurava a sua face rosada, os seus lábios carnudos e vermelhos de tanto beijarem Filipe, os seios inchados e arrepiados... Sofia estava pronta... e Filipe penetrou-a devagarinho, para sentir todos os centímetros húmidos e escorregadios do seu interior.
Ambos gemeram, ambos sentiram, ambos quiseram mais e mais. A loucura do momento levou-os a pensar que queriam estar assim para sempre... A sensação de prazer chegava a todos os nervos dos dois corpos. Os movimentos tornaram-se mais rápidos, mais carnais... as mãos de ambos viajavam pelos corpos... os beijos ardentes e molhados... os olhares de desejo e satisfação trocados... tudo indicava que a excitação ía culminar num momento explosivo e gigantesco de prazer. Filipe aumentou a cadência dos movimentos ... Sofia enterrou as unhas nas costas do surfista, fechou os olhos arqueando ao mesmo tempo as suas costas para receber todo o prazer que Filipe lhe estava a dar... e durante alguns segundos ambos multiplicaram por dois todo o prazer que sentiam... rebentando num orgasmo partilhado... um momento mais que ansiado. Dois corpos que se tornaram num só...
Terminada a explosão de prazer, restaram as respirações ofegantes,  os suspiros de cansaço e os sorrisos de felicidade.
- Tão bom...Filipe! - disse Sofia aninhando-se nos braços do surfista, que entretanto já se tinha deitado a seu lado, beijando-lhe levemente o braço onde pousara a sua cabeça.
- Sofia... és linda! Quero-te mesmo... -disse Filipe beijando os caracóis despenteados de Sofia que fechara os olhos e saboreava o momento... Não se iria esquecer daquele dia... nunca! 


Voltar à escola?

Perguntei assim à miúda de 8 anos:
"Estás desejosa de voltar à escola?"
"Mais ou menos" responde ela, com alguma indiferença enquanto termina de pintar uma árvore de Natal.

Cá para mim ela está como eu... Também estou "mais ou menos" desejosa de voltar à escola.
Apetecia-me continuar a poder dormir até tarde e a ela também...
Apetecia-me ficar de pijama a ver televisão o dia todo, e a ela também...
Apetecia-me não ter que me portar bem o dia todo, e a ela também...

Mas ambas sabemos que o que é bom acaba depressa e que as rotinas estão de regresso para o nosso bem!

Amanhã recomeçam os despertadores a tocar cedinho, recomeçam os amuos matinais, recomeçam os ralhetes e os atrasos na casa de banho.

Amanhã  recomeçam os almoços de marmita, as mochilas arrumadas e as  lancheiras preparadas.

Amanhã recomeçam os abraços à porta da escola, recomeçam as frases ditas ao ouvido "boa escolinha" e "Gosto de ti",  recomeçam os beijinhos que permanecem na bochecha com a cor do nosso batom.

Amanhã recomeçam os TPC, recomeçam os equipamentos dobrados e prontos a usar na aula de educação física, recomeçam as brincadeiras com os amigos na escola.

Amanhã recomeçam as esperas ao portão pelo toque da saída, recomeçam os abracinhos seguidos da pergunta "como correu a escola", recomeçam as viagens de carro até casa onde se matam um bocadinho as saudades.

Amanhã recomeçam os banhos a hora tardia, recomeçam os jantares a 4 e em casa, recomeçam as idas para a cama cedinho...

Se estamos praparados para estes recomeços todos??? Claro que sim, venham eles pois sabemos que a vida tem de ter regras e horários e amuos e ralhetes e mochilas e batom nas bochechas e abracinhos e banhos...

Venha de lá essa rotina que já estavamos a ficar mal habituados!

Leite de aveia

Nos últimos tempos andei um pouco  preguiçosa e não fiz o meu leite de aveia... ora como diz o ditado "ano novo, vida nova". Ou melhor, ano novo... de volta aos bons hábitos.
Assim já pus de molho em água, flocos grossos de aveia com duas tâmaras, para adoçar. Mais logo vai até à bimby e fica pronto!
Sim, dá algum trabalho (pouquíssimo) mas fica muito mais barato que o leite que se compra nos supermercados e sei bem o que este contém!

Portanto... resolução número 1 de 2017 - voltar a fazer leite em casa.

1 de janeiro de 2017

Mais uma mensagem XVI

Havia um mundo de  conversas para pôr em dia... Sofia e Filipe tinham muito que falar, precisavam esclarecer tudo e quem sabe fazer planos para o futuro.
Resolveram sair juntos nessa noite. Iriam jantar a qualquer lado e talvez beber um copo num barzinho recatado e calmo onde pudessem estar à vontade para conversarem e matarem saudades um do outro. O Miguel e a Madalena ficariam a dormir em casa da tia, mãe da Carlota, a principal culpada por se terem conhecido. Os miúdos gostaram de Sofia e queriam ter ido com eles... A inocência da tenra idade não lhes permitia compreender a importância daquele momento para os dois adultos. Poderia ser o virar de página, o iniciar de um novo capítulo nas vidas de todos eles. Acabaram por ficar bem, depois de Sofia lhes prometer que iriam conhecer, no dia seguinte, o Kiko.
Filipe ouvira falar na renovada rua em Cacilhas, Cândido dos Reis e pediu a Sofia para lá irem jantar.
- E que tal se repetíssemos a nossa primeira refeição juntos. Lembras-te? Comemos pizza? - inquiriu divertida.
- Como é que me poderia ter esquecido...? Foi aí que tudo começou. E também me lembro do balde de água fria quando chegámos à tua casa e estava lá a tua irmã.
Riram-se os dois à gargalhada ao lembrarem-se desse momento tão embaraçoso mas divertido.
- Vamos então para Cacilhas. Vais conhecer a Máfia das Pizzas, onde se come muito bem! O ambiente e atendimento são 5 estrelas. E estaremos à vontade para conversar...
Sofia olhou para Filipe com carinho... Não parecia que tinham estado afastados tantos anos. Pior que isso era pensar como é que conseguiu viver tanto tempo sem o procurar, o que durante alguns anos foi a sua obsessão, procurava-o apenas para umas horas de amor e sexo num qualquer motel ou pensão. Tinha sido uma relação estranha, da qual não se orgulhava, daí nunca ter contado a ninguém que tinha sido a amante do homem que ela queria para seu marido, mas que ele apenas a considerava como a segunda escolha.
Dirigiam-se para Cacilhas no carro do Filipe, um Nissan Qashqai cinzento, em silêncio. Sofia recordou-se dos bons momentos que passaram na carrinha pão de forma... Na rádio tocava The Sound of Silence dos Disturbed.
Filipe procurou, com a sua mão direita, a mão de Sofia e ambas entrelaçaram-se como não acontecia há muito. Ambos os corações bateram mais rápido, como que a avisar os seus donos que vinha aí um momento tenso...
Pegou na mão dela levou-a até aos seus lábios e deu-lhe um beijo, fazendo Sofia estremecer e fechar, momentaneamente, os olhos
- Desculpa - disse ele - Desculpa pelos anos todos que não te soube dar o valor que merecias... Desculpa por não ter percebido o quanto te fiz sofrer.
Sofia ficou em silêncio e soltou a sua mão da dele voltando a colocá-la na sua própria perna.
- Eu voltei após estes anos todos para te pedir perdão, Sofia... - Filipe estava ansioso e conduzia a 20km à hora para poder olhar bem para Sofia. Continuava linda, continuava a ser a miúda quente e sensual que Filipe tanto amara sem saber. Era amor o que tinha sentido por ela... e continuava a sentir!
- Filipe tu não imaginas o que eu passei... - disse Sofia virando-se no banco do carro para poder vê-lo, olhá- lo nos olhos azuis que pareciam conseguir ler-lhe o que estava escrito no coração. - Achas que eu gostava da vida que tínhamos? Achas que eu era feliz ao saber que vivias com outra pessoa... quando tudo o que eu queria era...- Voltando a olhar para a estrada-  Eu queria que fosses só meu! Não é fácil desculpar-te... esquecer tudo o que se passou. -rematou Sofia com um nó na garganta e com a voz alterada prestes a chorar.
- Eu sei minha querida... agora eu sei... - voltou a pegar na mão de Sofia -  Quando te perdi... quando te afastaste e pediste para não te procurar mais, foi quando eu vi que era a ti que eu amava. Também sofri muito, mas principalmente sofri por te ter feito sofrer. Amava-te e não sabia que te amava... pensava que era só tesão e paixão...
- Filipe... e porque só me procuraste agora? - Sofia continuava confusa com tudo o que ouvia. - Casaste com a Patrícia? Ela é a mãe dos teus filhos? Onde é que ela está?
Após estas perguntas um carregado silêncio ecoou no carro... Estavam a chegar a Cacilhas e Filipe procurava estacionamento.
- Conto-te tudo à mesa do restaurante, pode ser?

Homens???

Só por curiosidade, minha e de outras pessoas com quem tenho falado, gostava imenso de saber, mais ou menos, quantos homens estão a ler a estória "Mais uma mensagem".
Ok... não precisam assumir publicamente que lêem e não precisam fazer comentários  mas gostava mesmo de saber se o sexo oposto está a gostar das aventuras da Sofia e do Filipe.
Sei de 3 homens que estão a ler e a gostar... um deles é o meu marido. E os outros???
Opá... enviem uma mensagem ou ponham um gosto lá no Facebook só para eu ficar com uma ideia.

Atenção meninas que andam a ler... têm mostrado aos vossos maridos???

Obrigada!

Ps -  Hoje de madrugada sai mais um episódio...

Beijos